‘Dívida histórica é marca negativa’, diz Neidson Freitas

Neidson Freitas (de pé) - presidente Câmara
Neidson Freitas – presidente Câmara

Itabira/MG – O presidente da Câmara Municipal de Itabira, Neidson Dias Freitas (PP) voltou a tecer críticas ao governo do ex-prefeito Damon Lázaro de Sena (PV). Desta vez, o vereador comentou o tamanho da dívida deixada pelo pevista de herança ao atual prefeito Ronaldo Lage Magalhães (PTB), na ordem de R$ 146.446.574,02. O saldo negativo ganhou destaque na Câmara esta semana durante a reunião ordinária e foi bastante comentada pelos vereadores.

A polêmica foi levantada depois da coletiva de imprensa convocada pelo governo na tarde da última segunda-feira (10), quando Ronaldo Magalhães fez um balanço dos 100 dias de governo e apresentou aos jornalistas e à população a real situação da prefeitura. Na ocasião o prefeito, em companhia dos seus principais secretários, informou que a Prefeitura deve aproximadamente a 416 fornecedores, o que justifica a dívida tão alta.

Em entrevista à imprensa o presidente da Câmara defendeu o governo Ronaldo Magalhães e mais uma vez demonstrou indignação com a gestão anterior.

“Infelizmente é uma marca histórica, mas é uma marca negativa. Nunca na história de Itabira houve uma dívida herdada por um governo de R$ 146 milhões, vejo isso tudo com preocupação, isso compromete as expectativas do governo que tinha vontade de desenvolver uma série de projetos, mas diante de uma realidade dessa, infelizmente nós vamos ter que reestruturar a nossa estratégia de governo”, afirmou Neidson Freitas.

Além da dívida, a prefeitura anunciou que mensalmente os cofres públicos estavam fechando com déficits de aproximadamente R$ 8 milhões. Durante a coletiva de imprensa o secretário municipal de Planejamento Geraldo Rubens, explicou que o município arrecada R$28.893.328,06 por mês, mas gasta pouco mais de R$ 37 milhões, gerando um déficit orçamentário acima de R$ 8 milhões.