Sem participação de donos de postos de gasolina, vereador marca manifestação dia 10

Itabira/MG – A Audiência Pública realizada na noite desta terça-feira (30) na Câmara Municipal para debater o preço do combustível e do gás de cozinha praticado por empresas itabiranas não contou com a participação dos proprietários de postos de gasolina e frustrou organizadores e participantes.

Marcada pelo vereador e presidente da Comissão de Direitos do Consumidor, André Viana Madeira (PTN) o encontro seria mais um capítulo da polêmica envolvendo a suspeita da prática de cartéis no município, denunciada no início do ano após uma pesquisa de comparação de preços. Com a ausência dos empresários, o vereador marcou um “boicote” aos postos de gasolina para o dia 10 de junho.

Dos convidados, apenas três representantes das revendedoras de gás de cozinha estiveram na Audiência Pública. Ao se manifestarem, estes representantes criticaram o comportamento da maioria dos consumidores, que costumam comprar apenas de um revendedor, justamente o que pratica o maior preço no mercado. O proprietário da distribuidora Gás da Hora, Paulo Henrique Reis, comentou o assunto.

“Eu vendia meu gás até um tempo atrás a R$ 64,00 em Itabira. Hoje estou vendendo a R$ 66,00, mas as pessoas continuam ligando para a mesma empresa que tem o preço mais alto”, reclamou o empresário, sem informar o nome do concorrente.

A revenda de gás não movimentou tantas discussões. Neste caso, o próprio André Viana descartou a possibilidade de cartel. Segundo ele, neste ramo o que existe é concorrência. “Realmente existem preços mais baixos na cidade. E, vamos sim ajudar a mudar o comportamento dos consumidores nesse caso. Vamos ajudar a divulgar quem estiver vendendo mais barato”, afirmou o vereador.

A ausência dos donos de postos de gasolina irritou o vereador. De acordo com André Viana, estes empresários precisam explicar porque existe uma diferença tão grande entre os valores do combustível em Itabira em relação à cidades vizinhas, como em João Monlevade, por exemplo. Ao final da audiência o vereador convidou a população para uma ação contra os postos de gasolina.

“Vamos abastecer R$0,50 no dia 10, a partir das 9h e pedir a nota fiscal em todos os postos da cidade. Se esta manifestação não for suficiente, vamos reunir mil carros e vamos em carreata até Monlevade para abastecer”, disse o vereador.