Câmara aprova nota de repúdio por patrocínio em exposição com apologia à pedofilia

A ideia partiu do vereador André Viana Madeira (PTN) que criticou duramente a exposição

vereador André Viana (ao centro)

Uma exposição patrocinada pelo Banco Santander e pelo Governo Federal, por meio da Lei Rouanet (de incentivo à cultura), ganhou destaque em toda mídia nacional no início desta semana, por ter sido interrompida após a acusação de fazer apologia à pedofilia e à zoofilia.

Itabira/MG – A exposição Queermuseu – Cartografias da Diferença na Arte Brasileira, em cartaz há quase um mês no Santander Cultural, em Porto Alegre, reunia mais de 270 obras, de 90 artistas plásticos, incomodou também os vereadores itabiranos e uma moção de repúdio ao Santander e ao Governo Federal foi assinada por todos os presentes.

A ideia partiu do vereador André Viana Madeira (PTN) que criticou duramente a exposição. Segundo ele, os idealizadores “vilipendiaram a infância, a fé e a religião”, já que algumas obras retratavam imagens sacras, com a temática LGBT, questões de gênero e de diversidade sexual.

“É uma exposição de artes, patrocinada pelo Governo Federal em R$ 1 milhão e também por R$ 800 mil pelo Santander, que incentivaram uma exposição de quadros que incentivam a zoofilia, a pedofilia e a questão do vilipendio da fé, com imagens sacras sendo vilipendiadas com atos sexuais, o que incentiva a terríveis situações de prostituição infantil envolvendo a família brasileira. A Câmara manda este repudio, por patrocinar vilipêndios à infância, a fé e a religião”, defendeu o vereador, que recebeu o apoio de todos os seus colegas.