Polícia prende dois e apreende três galos de briga

Policiais Rodoviários do 4° Pelotão Meio Ambiente e Trânsito apreenderam três galos índios e prenderam dois indivíduos por maus tratos a animais.

Policiais Rodoviários do 4° Pelotão Meio Ambiente e Trânsito apreenderam três galos índios e prenderam dois indivíduos por maus tratos a animais que participariam de rinha de briga de galos na cidade de Guanhães (MG).

De acordo com as informações os Militares Sargentos Aenderson e Paulino, da Policia Rodoviária Estadual (PRE), realizavam patrulhamento pela rodovia MGC-120 estrada que liga Itabira a Nova Era, com as atenções voltadas para um possível sequestro em que um homem teria colocado a mulher a força dentro de um veiculo logo depois de agredi-la. A mesma conseguiu fugir do carro na BR-381.

Os policiais então foram sentido a Nova Era quando visualizaram um veiculo VW Parati, de cor verde, transitando de forma suspeita ao avistar os Militares. O condutor reduziu a velocidade ao passar pela viatura. Os PMs então retornaram e realizaram a abordagem do carro, onde no banco traseiro encontraram três galos índios de briga com as cabeças cobertas.

Diante do fato os rodoviários entraram em contato com o Sargento Adão, responsável pelo setor de Meio Ambiente, que tomou conhecimento do fato e as providências de maus tratos. O condutor do veículo assumiu que os animais eram de sua propriedade e estava os levando para a cidade de Guanhães onde participariam de uma disputa de briga de rinha. No veiculo também foram apreendidos medicamentos para os animais e uma serra para cortar as esporas.

A providência tomada pelo militares era destinar a um fiel depositário que ficaria com os galos até a justiça tomar a decisão quanto ao caso. Os animais e os envolvidos foram levados para a Delegacia de Policia Civil onde o Delegado de plantão tomaria as providencias cabíveis.

Em tempo – O “Artigo 32 da Lei Federal nº.”. 9.605/98. Considerado crime praticar ato de abuso, maus-tratos, ferir ou mutilar animais silvestres, doméstico ou domesticados, nativos ou exóticos. Pena – Detenção de 3 (três) meses a 1 (um) ano e multa.
Parágrafo 1°. – Incorre nas mesmas Penas quem realiza experiência dolorosa ou cruel em animais vivos, ainda que para fins didáticos ou científicos, quando existirem recursos alternativos. “Parágrafo 2°”. – A Pena é aumentada de 1 (um) terço a 1(um) sexto, se ocorrer a morte do(s) animal(s).”

Os atos de maus-tratos e crueldades mais comuns são: abandono; manter animal preso por muito tempo sem comida e contato com seus donos/responsáveis; deixar animal em lugar impróprio e anti-higiênico; envenenamento, agressão física, covarde e exagerada; mutilação, e utilizar animal em shows, apresentações ou trabalho que possa lhe causar pânico e sofrimento.

Não procurar um veterinário se o animal estiver doente. Isto serve para os animais domésticos mais comuns como cães, gatos e pássaros; também cavalos usados em trabalhos de tração, além de animais criados e domesticados em sítios, chácaras e fazendas. Animais silvestres estão inclusos nessa Lei, possuindo também Leis e Portarias próprias criadas pelo IBAMA.