Desenvolvimento nacional depende da base industrial, diz especialista

Uma pesquisa apresentada recentemente pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), mostrou que este ano o país cresceu 2,6% na produção industrial em relação a 2016.

Por Marquezan Araújo

Apesar da importância que tem na economia, a indústria brasileira está aquém do seu potencial produtivo. Essa é a avaliação do gerente-executivo de Política Econômica da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Flávio Castelo Branco. Na visão do especialista, incluir o aumento da produtividade na agenda do desenvolvimento da indústria e reduzir os obstáculos que aumentam os custos da produção são fatores que podem sanar o problema.

Durante seminário promovido na Câmara dos Deputados na última terça-feira (7), Castelo Branco informou que o segmento tem uma participação de 21,2% no Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro. Na ocasião, o especialista citou alguns pontos que poderiam melhorar a produtividade do setor. “Nós precisamos fazer com que produzir no Brasil custe menos. os custos associados ao salário, os encargos, têm que ser menores. Com mais produtividade, os salários vão crescer”, disse.

Para o professor titular de Economia Política da Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo (FD/USP), Gilberto Bercovici, os demais setores da economia são fundamentais para o Brasil. “Não existe país algum no mundo que se desenvolveu simplesmente com uma economia baseada em serviços, só com produtos primários. Eles têm uma base industrial”, afirma.

Dados da Confederação Nacional da Indústria comprovam isso. Segundo a CNI, o setor é responsável por 22,2% do emprego formal, 22% da massa de salários e por 38,1% das exportações.

Uma pesquisa apresentada recentemente pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), mostrou que este ano o país cresceu 2,6% na produção industrial em relação a 2016. Se comparado ao último trimestre, o resultado é o melhor desde 2013, com destaque para Bahia, Mato Grosso, São Paulo, Paraná e Goiás.Protagonismo
Avaliando a participação atual da indústria no PIB brasileiro, o deputado e presidente da Comissão de Trabalho, Administração e de Serviço Público, Orlando Silva (PCdoB-SP), afirma que o setor precisa recuperar o papel de protagonista na economia nacional. “A indústria da transformação tem um peso na economia equivalente aos anos 50, tem um peso no PIB de um dígito. Isso revela a necessidade de nós garantirmos o papel na indústria no desenvolvimento do Brasil.”

A presidente nacional do PCdoB, deputada Luciana Santos (PE), também ressaltou a importância de o tema ser discutido amplamente na sociedade. De acordo com a parlamentar, o assunto interessa tanto aos trabalhadores quanto ao empresariado. “É uma pauta de país. Não podemos fazer um reducionismo de sua importância”, opinou.

Matérias relacionadas

Faturamento industrial recua pelo segundo mês consecutivo

Governo prevê criação de seis milhões de empregos com nova lei trabalhista

73% dos brasileiros devem comprar no Natal; data vai movimentar R$ 51,2bi  

Vendas no Dia das Crianças crescem 3%, mostra SPC Brasil

SPC Brasil: 65% dos brasileiros não possuem reserva financeira

Para 58% dos empresários 2017 será melhor na economia, diz SPC Brasil CNDL

SPC Brasil: Efeitos redução Selic devem ser sentidos no segundo temestre

SPC Brasil: 57% dos consumidores devem comprar roupas novas no Réveillon

Quase metade dos idosos investe na poupança, mostram SPC Brasil CNDL

SPC Brasil: Venda no cartão gerou problemas para 29% dos comerciantes

Inadimplência fecha dezembro com 58,3 milhões de brasileiros negativados

SPC Brasil CNDL: Metade dos brasileiros reprovam reforma da previdência

SPC Brasil CNDL: Metade dos brasileiros não fazem controle do orçamento pessoal

SPC Brasil: Carro e viagens são principais itens que jovens desejam

SPC Brasil: Quatro em cada dez jovens não se preparam para aposentadoria

46% dos brasileiros atrasaram alguma conta em 2016, diz SPC Brasil

Sudeste possui maior número de inadimplentes, diz SPC Brasil e CNDL 

SPC Brasil/CNDL: Inadimplência entre empresas cresce 5,28% em janeiro

SPC Brasil: Classe C é a que menos resiste às promoções

SPC Brasil: 39% dos consumidores vão gastar menos na Páscoa

60% dos donos de animais de estimação não se planejaram para ter um pet, diz SPC Brasil