PJ Minas completa 15 anos e aborda violência contra mulher

Edição 2018 do projeto envolve estudantes de 88 municípios na discussão do enfrentamento da violência contra a mulher.

You Tube/Ilustração

Programa de formação política de estudantes do ensino médio, o Parlamento Jovem de Minas (PJ Minas) completa 15 anos em sua edição 2018. O projeto é realizado pela Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG) em parceria com câmaras municipais e neste ano tem como tema a violência contra a mulher.

As câmaras municipais participantes da edição 2018 estão em fase de mobilização local, com definição de escolas que receberão o projeto, seleção de monitores e negociação de parcerias locais até o dia 29 de março. A partir de então, começarão as formações e discussões sobre o tema do ano, que vão culminar nas plenárias municipais, a serem realizadas até junho.

Essas definições serão discutidas nas plenárias regionais, que os 16 polos podem realizar até agosto. Nesse momento, serão priorizadas propostas e cada polo vai apresentar um documento consolidado a ser discutido e votado na etapa estadual, em outubro, na ALMG.

Além de discutir os desafios para o enfrentamento desse problema, os estudantes também terão a oportunidade de conhecer melhor a política e os instrumentos de participação no Poder Legislativo.

Nascido em 2003, o PJ Minas era realizado apenas em Belo Horizonte. Em 2010, começou a ser ser levado a outros municípios e em 2014 passou a ser organizado em polos regionais. A edição de 2018 é marcada pela maior autonomia conferida a esses polos. “Os 15 anos são o período da transição na vida de um jovem e é o que o projeto também está vivendo”, diz Fernanda Freitas, uma das coordenadoras estaduais do projeto.

Atualmente participam do projeto 88 câmaras municipais, distribuídas em 16 polos. “O PJ Minas valoriza a formação política como instrumento para fortalecer o Poder Legislativo, que precisa da participação dos cidadãos para se consolidar. Por isso, a parceria entre o Parlamento estadual e os municipais é tão importante”, afirma Fernanda Freitas.

O novo formato, como explica a coordenadora, permite que os polos regionais tenham cada vez mais autonomia no estabelecimento de parcerias locais e na organização de eventos, debates, cursos e encontros.

Para o coordenador do Polo Zona da Mata 2 e Caparaó, Sérgio Peres Dutra, a tendência é de que as etapas regionais cumpram o papel que antes era exclusivo da etapa estadual: o de permitir que jovens de diferentes realidades locais dialoguem, identifiquem suas similaridades e diferenças e priorizem linhas de atuação.

Exemplos de participação cidadã

Ao lado de outras iniciativas que buscam maior envolvimento dos cidadãos com o Poder Legislativo (tanto em âmbito estadual como municipal), o PJ Minas contribui para a maior participação popular nas discussões de interesse de toda a sociedade.

Pedro Cuco, de Juiz de Fora (Zona da Mata), é um exemplo de como o projeto pode aumentar a participação cidadã. Hoje advogado e servidor público, ele participou do PJ Minas pela primeira vez em 2010 e desde então milita em movimentos sociais.

ALMG