Oficinas, palestra e passeata marcam Dia de Luta Antimanicomial

A Semana de Luta Antimanicomial tem o tema “Atentas e fortes: tantãs sem temer os golpes”.

Crédito foto: Ministério da Saúde/divulgação

A Secretaria Municipal de Saúde está promovendo, desde ontem (14/05), a Semana de Luta Antimanicomial com o tema “Atentas e fortes: tantãs sem temer os golpes”. Oficinas, apresentação do Cinema na Câmara, palestra e passeata prosseguem até o dia 18 – data em que se comemora o Dia Nacional de Luta Antimanicomial.

Itabira/MG – Na segunda-feira, o Cinema na Câmara apresentou o filme “Nise: o coração da loucura”, um longa-metragem brasileiro que conta a história da psiquiatra alagoana Nise da Silveira (1905-1999), que inovou o tratamento oferecido para as pessoas com problemas mentais e, em especial, para aquelas com esquizofrenia. Ela propôs e aplicou formas alternativas de cuidados, com base na arte, no afeto e no convívio com animais em substituição a métodos agressivos e comparáveis à tortura. Após a apresentação do filme, profissionais de saúde mental, familiares e usuários debateram o tema.

Hoje (15/05), as equipes multiprofissionais dos Centros de Atenção Psicossocial (Caps) AD, Infantil e Adulto realizam oficinas terapêuticas em todas as unidades.

Amanhã (16/05), a partir das 13h30, no auditório da Fundação Comunitária de Ensino Superior de Itabira (Funcesi) será promovida a palestra “Saúde mental na Atenção Básica e matriciamento”, com a terapeuta ocupacional Edna Mara Mendonça. Logo após, será realizada uma mesa redonda com Heloísa Helena Martins, enfermeira e superintendente de Ações em Saúde; Fabiana de Almeida Pimenta, terapeuta ocupacional e o médico Frederico Petres Monferrari.

A programação se encerrará, na sexta-feira (18/05), com uma passeata. A concentração será a partir das 8h em frente ao Mercado Municipal e seguirá até a Rodoviária Genaro Mafra. A banda de música da Universidade Federal de Itajubá (Unifei) participará do evento.

O objetivo da semana de comemorações é mobilizar usuários, familiares, trabalhadores e a comunidade e promover uma ampla discussão sobre a atenção ao usuário dos serviços de saúde mental e o combate ao preconceito ainda presente em nossa sociedade.