Servidores querem nova proposta da PMI e decidem manter operação tartaruga

Segundo o presidente do sindicato, Auro Gonzaga, um novo documento será encaminhado ao prefeito Ronaldo Lage Magalhães (PTB) na tentativa de impedir o “reajuste zero”.

Em uma assembleia realizada nesta terça-feira (12) em frente à Câmara Municipal o Sindicato dos Trabalhadores e Servidores Públicos Municipais de Itabira (Sintsepmi) decidiu manter a operação tartaruga iniciada no dia dois deste mês. Além disso, os servidores querem que a Prefeitura apresente uma proposta para o Acordo Coletivo de Trabalho (ACT) que tenha um reajuste salarial.

Itabira/MG – Segundo o presidente do sindicato, Auro Gonzaga, um novo documento será encaminhado ao prefeito Ronaldo Lage Magalhães (PTB) na tentativa de impedir o “reajuste zero”.

“Em decisão na assembleia, vamos enviar um novo documento para Prefeitura cobrando uma nova rodada de negociações, que ela faça uma nova proposta em porcentagem, saia do zero e avance para uma porcentagem que levaremos para assembleia”, informou o sindicalista.

Auro Gonzaga disse também que uma nova assembleia será realizada no dia 20 deste mês, quando os servidores decidirão se mantem a operação tartaruga ou tomam uma “medida mais drástica”.

“A operação tartaruga será mantido. Faremos uma nova assembleia dia 20, na porta da Câmara, faremos um convite aos vereadores para nos apoiar nesta causa. Nessa assembleia iremos deliberar se o movimento de operação tartaruga continua ou se vamos adotar uma medida mais radical que seria uma paralisação total dos trabalhos”, ressaltou o representante dos servidores públicos.

Nota- Em comunicado distribuído pelo aplicativo Whatsapp o presidente do Sintsepmi, Auro Gonzaga, fez um balanço da operação tartaruga, promovida por alguns servidores contrários à falta de diálogo com a Prefeitura e também à falta de uma proposta com números concretos.

“Ontem fizemos mais uma assembleia na luta contra o reajuste zero, onde fizemos um balanço da operação tartaruga, momento que foi constatado o crescimento do movimento com a adesão dos PSFs, (médicos, enfermeiros, técnicos em enfermagem, e auxiliares). São 27 PSFs em operação tartaruga, tem escola aderindo ao movimento ponto de apoio da dengue, e tem aumentado o número de servidores em nossas assembleias, sendo servidores de vários seguimentos do serviço público, com servidores do SAAE, Transita CEO”, diz o comunicado.