Convênio oportuniza primeiro emprego a jovens de Itabira

Convênio foi firmado entre Prefeitura de Itabira e organização social Rede Cidadã

Dalton Gonçalves/Acom PMI

Adolescentes e jovens sob vulnerabilidade social terão oportunidade de qualificação e trabalho, graças a um convênio firmado entre a Prefeitura de Itabira e a organização social Rede Cidadã, de Belo Horizonte. Inicialmente, 20 jovens serão empregados na condição de aprendizes em seções da Prefeitura, com remuneração mensal, transporte e todos os direitos trabalhistas assegurados, como férias e décimo terceiro.

Itabira/MG – O termo de colaboração foi pactuado nesta quarta-feira (15), entre o prefeito de Itabira, Ronaldo Magalhães; a secretária Municipal de Assistência Social, Maria Marli de Oliveira Martins Rosa; assim como Christiane Loureiro e Camila Barbosa, representantes da Rede Cidadã. Também participaram da assinatura o vereador Carlos Henrique Silva Filho e membros da equipe de governo.

A Rede Cidadã é uma ONG criada em 2002 que atua com empregabilidade, cursos de formação e empreendedorismo. Por meio do programa intitulado “Aprendiz Social”, jovens irão trabalhar 20 horas semanais na administração pública – de segunda a sexta-feira – em atividades coordenadas de auxiliar administrativo, sendo que um dia da semana é destinado ao treinamento teórico ministrado por profissionais especializados.

O contrato será de 16 meses, com todo o suporte prestado pelo município. Christiane Loureiro destacou a importância da iniciativa e afirmou que a organização já inseriu mais de 50 mil jovens em ocupações formais por diversos estados. “O jovem sai um profissional formado para o mercado de trabalho”, frisou.

Quem terá direito?
Maria Marli explica que serão empregados jovens assistidos em políticas dos Centros de Referência de Assistência Social (Cras) e Centros de Referência Especializados de Assistência Social (Creas).

Embora exista a obrigatoriedade de contratação para as empresas de médio e grande porte, Marli lembra que por vezes jovens de baixa renda ficam de fora das seleções, sobretudo aqueles que cumprem medidas socioeducativas por estarem em conflito com a lei. A proposta é, dessa forma, promover também inclusão social.

“Já temos mais de 180 inscritos e eles passarão por uma seleção; um quesito considerado será a condição de vulnerabilidade social”, disse. A previsão é que os 20 jovens inscritos comecem o programa em cerca de 30 dias.

Ampliação
O desejo de Ronaldo Magalhães é ampliar o programa e atender, ao menos, 100 jovens em uma próxima etapa. O prefeito recorda que a iniciativa lançada nesta quarta-feira é costurada desde o ano passado e figura uma conquista à área social da cidade.

“Temos que tirar a meninada de uma possível situação de risco para ações educacionais que vão contribuir à vida de cada um. Sem falar no primeiro emprego, onde o jovem por vezes não consegue por falta de experiência. Esse trabalho terá um impacto futuro muito importante”, comentou Ronaldo.