Ausência de representante da Vale na audiência pública da água, é criticada

Audiência pública sobre abastecimento de água aconteceu no dia 10 de outubro

Nesta terça-feira (16) durante a reunião da Câmara Municipal, o vereador Weverton Andrade “Vetão” (PSB) teceu diversas críticas à audiência pública realizada na última quarta-feira (10) na Fundação Cultural Carlos Drummond de Andrade (FCCDA), para debater o abastecimento de água no município. Entre as reclamações do vereador está o dia em que o debate foi realizado, entre dois feriados, o do dia nove, aniversário de Itabira e do dia 12, dia de Nossa Senhora Aparecida. Vetão criticou também a possibilidade do município realizar uma parceria público-privada (PPP) para desenvolver a captação de água do Rio Tanque e a ausência de representantes da Vale no encontro.

Itabira/MG – A ausência de representantes da mineradora na audiência pública também foi criticada por outros vereadores, mas segundo Vetão, a falta deste representante chega a ser “uma vergonha”.

“A mineradora que mais suga do solo itabirano não estava lá [na audiência] para discutir sobre o abastecimento de água. É uma vergonha, a Vale suga o nosso solo, leva dinheiro, leva minério, mas não tem coragem de mandar um representante, ou então não foi convidada pela Prefeitura, por que eu vejo aquilo ali como um encontro impositivo”, discursou ele.

O vereador Reinaldo Lacerda (PHS) apoiou as críticas feitas por Vetão e mesmo sendo à favor da PPP, ele defendeu a participação de um representante da mineradora nas discussões.

“Eu sou a favor de parceria público-privada, acho importante, mas que a vale tem uma dívida com o município em relação à água, isso tem”, disse o vereador.

Segundo Solimar José da Silva (SD), membro fundador do Grupo da Água, criado em 2012 para discutir projetos para resolver a falta de abastecimento em Itabira, a mineradora tem representação neste grupo de mobilização. No entanto, ele preferiu não comentar a ausência dos representantes da mineradora na audiência pública.

Memória – Segundo as informações repassadas pelo diretor-presidente do Serviço Autônomo de Água e Esgoto (SAAE), Leonardo Ferreira Lopes durante a audiência pública, a PPP para captar água no Rio de Peixe custará R$ 55 milhões, que poderão ser pagos em 30 anos, uma média de R$ 1,7 milhão por ano. Este valor, impactaria no bolso dos consumidores, com um aumento de até 25% nas contas, para amortizar o pagamento dos investimentos feitos a empresa responsável pela obra. O que também foi motivo de críticas do vereador Weverton Vetão, durante a reunião desta terça.