PM intensifica ações para coibir crimes eleitorais em Monlevade e região

Subcomandante da PM de Monlevade reuniu repórteres para falar do assunto

A Polícia Militar está com esquema de segurança montado com ações que visam coibir crimes eleitorais no pleito deste domingo, dia 7. O capitão Filipe Gaigher, subcomandante da 17ª Cia Independente da Polícia Militar de João Monlevade, reuniu repórteres na manhã desta quinta-feira (4), para falar sobre o assunto. O encontro foi realizado na sede da instituição.

João Monlevade/MG – O capitão Filipe Gaigher enfatizou que, além do policiamento ostensivo e preventivo de João Monlevade, os militares também vão atuar em mais nove municípios da região que são subordinados à 17ª Cia. Segundo ele, haverá no mínimo, um policial militar em cada sessão de votação para garantir a lisura do processo eleitoral 2018. Os militares também vão atuar no transporte das urnas eletrônicas para apuração dos votos. Em João Monlevade, nesse ano, a contabilização dos votos será na sede do Cartório Eleitoral, na rua Florianópolis. O entorno do lugar será fechado para trânsito de carros e pedestres.

“A Polícia Militar vai atuar de maneira ostensiva e preventiva para garantir o exercício de todos os direitos eleitorais. Teremos policiamento reforçado a partir de sábado até a segunda-feira, para as mais diferenciadas demandas. A votação se encerra às 17h de domingo. Entretanto, no período anterior e imediatamente ao posterior ao pleito podemos ter alguns resquícios de infrações administrativas eleitorais ou mesmo de crimes eleitorais. Nosso policiamento é baseado nesse lapso temporal, tanto antes quanto depois das eleições”, explicou o subcomandante.

Capitão Filipe Gaigher

O capitão Filipe enfatizou ainda que a PM vai atuar efetivamente na prevenção de crimes eleitorais. “São mais de 70 crimes eleitorais e dezenas de infrações administrativas eleitorais previstas pela legislação. Sabemos que três crimes são os mais frequentes como a boca de urna, o transporte irregular de eleitor e o derramamento de santinho, após as 22h de sábado. A polícia montou um esquema de prevenção específico para tentar coibir essa prática. Gostaria de deixar bem claro para toda sociedade para respeitar a legislação eleitoral, pois haverá rígido policiamento nesse sentido”, pontuou o policial que completou: “no dia das eleições, qualquer pedido de voto é proibido e configura boca de urna, inclusive não é permitido impulsionamento de conteúdo e nem a publicação de novos conteúdos na internet. A manifestação individual e silenciosa do eleitor é permitida”.

Prisões 

As prisões no período eleitoral foi outro assunto destacado pelo subcomandante Filipe Gaigher. Segundo ele, muitas pessoas têm interpretação equivocada sobre a questão. “Estamos falando do artigo 236 do Código Eleitoral, que atesta que qualquer cidadão pode ser preso em flagrante delito, por descumprimento de salvo conduto ou por sentença condenatória por crime inafiançável. Não tem alteração nenhuma na legislação para as prisões em flagrante”, ressaltou.

Bebidas

Sobre a venda de bebidas alcoólica, que normalmente é vedada do anterior até o fim do pleito, o capitão Filipe Gaigher salientou que é preciso que a Secretaria de Segurança Pública de Minas Gerais emita um Ato Administrativo que proíba a venda de bebidas alcoólicas. Até esta quinta-feira (4), o documento ainda não havia sido divulgado. “Se houver edição do ato, são pontuadas as consequências administrativas pelo seu descumprimento. Como regra, é proíbido tanto o consumo quanto a venda de bebidas nesse período”, disse.

Fonte: Bell Silva/O Popular