ALMG discute permanência de fazenda da Epamig em Itabira

Ameaça de fechamento do campus experimental preocupa deputado, que propõe diálogo entre poder público e sociedade.

Foto: Sindicato Rural/divulgação

A permanência da Fazenda Experimental da Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais (Epamig) no município de Itabira (Região Central) vai ser discutida em audiência pública da Comissão de Agropecuária e Agroindústria da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG). A reunião será na próxima quinta-feira (6/12/18), às 15 horas, no Plenarinho I, a requerimento do deputado Gustavo Santana (PR).

De acordo com a justificativa parlamentar, a audiência é necessária devido ao anúncio de fechamento do campus Fazenda Experimental naquele município, previsto para janeiro de 2019.

“A proposta é o diálogo entre a empresa estatal, os representantes da sociedade civil e do poder público e a comunidade local, no sentido de impedir o fechamento da unidade que pode acarretar perdas significativas nos setores de pesquisa e produção do município de Itabira”, ressalta o documento.

Segundo o deputado Gustavo Santana, o fechamento do campus pode trazer grandes prejuízos para a cidade e região, já que a empresa atua no local há mais de uma década, realizando importantes ações.

Campus Experimental – O campus Experimental de Itabira foi criado por meio de convênio entre a Epamig e a Prefeitura, em maio de 2008. O local possui uma área de 167 hectares, pertencente ao Governo Federal, e está cedido em regime de comodato ao município. Por conter várias nascentes que abastecem parte da cidade, o campus Experimental está inserido em um projeto de preservação permanente, por meio de recursos do Serviço Autônomo de Água e Esgoto (Saae) de Itabira.

As principais atividades no município são as pesquisas na bovinocultura, silvicultura (sistema integração lavoura-pecuária-floresta; eucalipto integrado com pastagens no sistema silvopastoril; recuperação de terrenos degradados em áreas de reserva e nascentes), grandes culturas (milho e cana-de-açúcar), estoque genético animal (bovinos da raça Gir Leiteiro criado em sistema extensivo) e estoque genético vegetal (viveiro de mudas de cana-de-açúcar). De janeiro a setembro deste ano, a empresa já atendeu 798 pessoas.

ALMG