Epamig sugere novo convênio para projeto em Itabira

Intenção da empresa é continuar oferecendo apoio técnico sem, contudo, participar da administração da unidade.

Carlos Souza (produtor rural), William Sampaio (secretário de Agricultura de Itabira), Evando Lage (presidente do Sindicato Rural de Itabira), Antonio Arantes (dep. estadual PSDB/MG), Gustavo Santana (dep. estadual PR/MG), Rui Silva Verneque (presidente da Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas), Trazilbo Júnior (diretor de operações técnicas da Epamig), Sérgio Amaral (secretário de desenvolvimento de Itabira). Fotos: Flávia Bernardo - ALMG/divulgação

A possibilidade de fechamento do campus Fazenda Experimental da Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais (Epamig) em Itabira (Região Central) causou apreensão em produtores rurais e representantes do poder público do município.

Eles se reuniram nesta quinta-feira (6/12/18), em audiência pública da Comissão de Agropecuária e Agroindústria da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG), para reivindicar a continuidade do projeto e saíram com uma sinalização positiva por parte da empresa.

Tadeu Martins (dep. estadual MDB/MG), André Quintão (dep. estadual PT/MG), Antonio Carlos Arantes (dep. estadual PSDB/MG), Gustavo Santana (dep. estadual PR/MG)

A Fazenda Experimental foi criada em 2008, por meio de convênio entre a Epamig, a prefeitura e a Associação de Produtores da Agricultura Familiar de Itabira (Apafi). A unidade utiliza uma área de 167 hectares, pertencente ao governo federal, na qual são realizadas atividades de capacitação e pesquisa para o desenvolvimento tecnológico no campo.

William Sampaio (secretário de Agricultura de Itabira), Evando Lage (presidente do Sindicato Rural de Itabira)

O convênio tem validade até maio de 2019, mas, como informou o presidente da Epamig, Rui da Silva Verneque, já será rescindido, por consenso. Só falta a publicação da rescisão. Essa decisão foi tomada devido às dificuldades enfrentadas pelas entidades envolvidas na gestão do espaço, principalmente em relação à contratação de mão de obra de apoio.

Isso não significa, no entanto, que as atividades da empresa serão encerradas no município. Rui Verneque explicou que a ideia é firmar um novo convênio, que envolva instituições que possuam maior estrutura para gerir a fazenda, como o Sindicato Rural de Itabira, e com uma nova proposta de atuação.

Um exemplo são as unidades demonstrativas, criadas em parceria com universidades, o poder público e entidades do setor, que recebem o apoio técnico da Epamig. A empresa não participa, contudo, da administração dessas unidades.