Prefeito tranquiliza população sobre barragens itabiranas

Segundo Ronaldo, as barragens construídas em Itabira não são iguais de Mariana e Brumadinho.

Barragem do Itabiruçu

O rompimento de uma barragem da mineradora Vale, na mina Córrego do Feijão, em Brumadinho – região metropolitana de Belo Horizonte – na última sexta-feira (25/1), reacendeu todos os holofotes para Itabira, que possui 11 barragens, também da Vale, instaladas em diversos pontos. Para explicar a situação delas, o prefeito Ronaldo Magalhães convocou uma coletiva de imprensa no final da tarde desta quinta-feira (31), no auditório do paço municipal.

Segundo o prefeito, as barragens construídas em Itabira não são iguais às de Mariana – barragem de Fundão, rompida em 2015 – e de Brumadinho. “São barragens diferentes na sua construção. Tanto a de Mariana quanto a de Brumadinho, são construções tecnicamente a montante e o alteamento delas é feito com o próprio rejeito. Essas eram de minas que a Vale já adquiriu em funcionamento”, ressaltou.

Ascom/PMI (arquivo)

Já as estruturas itabiranas para armazenar o rejeito de minério foram erguidas no modelo a jusante. “São obras diferenciadas. Como leigo, falar que está garantido, eu até queria. Mas, que está muito melhor construída e melhor trabalhada, tenho certeza”, salientou Ronaldo Magalhães. De acordo com informações da Secretaria Municipal de Meio Ambiente (SMMA), o modelo a jusante cresce para a direção da corrente dos resíduos, formando uma espécie de pirâmide. Alteamentos não são erguidos sobre resíduos, mas a partir da barreira inicial. Método mais caro e que ocupa mais espaço.

Apesar do silêncio da gerência executiva das minas da Vale em Itabira, o prefeito informou que se reuniu com a diretoria na última terça-feira (29/1), onde ficou ciente das ações que estão sendo desenvolvidas pela mineradora. “Estive com o comando da Vale discutindo essa situação, anteontem. No fim de semana, logo que aconteceu o desastre, a Vale Itabira revisou e acompanhou todas as nossas barragens. Inclusive, a Defesa Civil Municipal esteve junto”.

Ronaldo Magalhães afirmou ainda que um plano de contingência – Plano de Ação de Emergência para Barragens de Mineração (PAEBM) – começou a ser implantado pela Vale há oito meses. “Estão sendo colocadas sirenes em locais estratégicos e a etapa seguinte é a conscientização da comunidade, principalmente nos trechos que tenham o possível problema. A Vale tem feito isso rotineiramente”, garantiu o prefeito.

Plano de fuga

Em maio de 2018, a Vale apresentou à Prefeitura de Itabira o Plano de Ação de Emergência para Barragens de Mineração. O material descreve detalhadamente a rota dos rejeitos em caso de rompimento e o plano de fuga para cada bairro afetado. Entretanto, de acordo com informações da Secretaria Municipal de Meio Ambiente (SMMA), a empresa ainda não realizou simulações desses procedimentos.

“Sobre isso, eu cobrei e o Rodrigo Chaves (gerente-executivo da Vale) me disse que será o mais rápido possível. Ainda faltam equipamentos para instalar, mas a Vale irá trabalhar paralelamente com a comunidade para conscientizar, informar e treinar as pessoas. Porque é esse treinamento que poderá salvar vidas”, avaliou Ronaldo Magalhães.

Barragens
Correspondem à mina Cauê, o Sistema Pontal, que abriga 220 milhões m³ de rejeito – este é o volume que consta no site da Vale –. No entanto, no PAEBM, sua capacidade é de 137 milhões m³. Termina com o Complexo Santana – barragens Piabas, Cemig I e II e Santana – totalizando 15,7 milhões m³. Esse número também diverge do PAEBM, que apresenta 26,95 milhões m³. Referentes à mina de Conceição, barragens Itabiruçu, com o volume de 220 milhões m³ no site da Vale, diferentes dos 130 milhões m³ no plano emergencial; Conceição, 36 milhões m³ (site da Vale) contra 25,9 milhões m³ apresentados no PAEBM e Rio de Peixe, com 12,2 milhões m³ confirmados no site da mineradora, diferentes dos 15,5 milhões m³ no plano emergencial. Para as minas do Meio, barragens Cambucal I (119 mil m³), Cambucal II (110 mil m³) e Quinzinho (432 mil m³).

Matérias relacionadas

CDL/BH doa meias e peças íntimas para bombeiros em Brumadinho

Metabase Itabira conhece de perto a tragédia em Brumadinho

Metabase Itabira declara luto por Brumadinho

Equipe da CRMV-MG resgata 36 animais em Brumadinho

Vale em Itabira não para, diz nota

Engenheiro preso ganhou prêmio por estudo no Itabiruçu

Vereador convida gerentes da Vale em Itabira para esclarecer sobre barragens

Civil prende engenheiros que prestaram serviço à Vale

Corpo de itabirano é localizado após desastre ambiental

60 mortos e 292 desaparecidos em Brumadinho

Ronaldo vai cobrar da Vale diagnostico das Barragens em Itabira

Brumadinho: Sirenes são acionadas durante a madrugada

Sindicato dos Vigilantes cobra da Vale e autoridades urgência em Brumadinho

Brumadinho ainda tem 299 pessoas desaparecidas

Rompimento de barragem em Brumadinho aumenta alerta em Itabira

Nota do Metabase sobre rompimento de barragem em Brumadinho

Justiça bloqueia R$ 1 bilhão da Vale

Rompimento de barragem em Brumadinho