Ameaça à educação no campo será debatida na Assembleia

Escolas Família Agrícola beneficiam 10 mil famílias e possível corte em apoio do governo estadual motiva reunião.

ALMG sediou em 2017 ato de apoio às Escolas Família Agrícola, que conjugam formação na escola com presença em atividades no campo. - Foto: Guilherme Bergamini

A possível interrupção do apoio dado pelo governo estadual às Escolas Família Agrícola (EFAs), que beneficiam 10 mil famílias direta e indiretamente no Estado, será debatida nesta terça (16/4/19), às 9 horas, em audiência da Comissão de Direitos Humanos da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG).

A reunião será realizada no Auditório José de Alencar e foi solicitada pela presidenta, deputada Leninha (PT), com o objetivo de apresentar, também, a pedagogia da alternância como forma de potencializar a educação do campo em Minas.

A parlamentar registra que há 18 EFAs no Estado, que abrangem 1.200 comunidades em mais de 200 municípios situados em regiões de baixa atividade econômica e de grande vulnerabilidade social, conforme destaca o requerimento da audiência.

“Está em curso, na esfera nacional e em Minas, um processo de retrocesso no campo dos direitos constituídos e das políticas de assistência de suma importância para o maior contingente de pessoas, e esse é o caso das Escolas Família Agrícola”, frisa a deputada.

Crise – A parlamentar observa que o debate será realizado no momento em que se tem falado que o Estado está em crise. “Maior é a crise vivenciada pelas pessoas. Não se pode argumentar que a crise econômica a que todos estamos submetidos legitime um estado de exceção”, contrapõe, sobre a necessidade da audiência.

“Essas escolas atuam na implementação de políticas de geração de trabalho e renda familiar, fortalecendo a agricultura familiar, a pedagogia da educação e da solidariedade e sustentabilidade no campo”, justifica.

Para o debate foram convidados diversos secretários de Estado, representantes de entidades de trabalhadores na agricultura e diretores de EFAs.