Justiça manda Vale parar de lançar rejeito no Minervino e Cordão Nova Vista

De acordo com informações a Mineradora Vale tomou ciência para que suspenda o lançamento de rejeitos nos diques Minervino e Cordão Nova Vista, bem como a construção, alteamento ou obras de qualquer natureza no Complexo de Pontal, em Itabira (MG).

No último dia 15 de março a mineradora tomou ciência de uma decisão proferida pela juíza Karen Castro dos Montes, da 1ª Vara Cível de Itabira, no âmbito da ação civil pública n° 5000406-54.2019.8.13.0317 – movida pelo Ministério Público do Estado de Minas Gerais (MPMG), que determinou, dentre outras providências, que a empresa suspenda o lançamento de rejeitos nos diques Minervino e Cordão Nova Vista, bem como evite realizar atividades de construção, alteamento ou obras de qualquer natureza no Complexo de Pontal da Mina Cauê que possa causar vibração nas áreas do entorno das referidas estruturas. Além disso, determinou a restrição de acesso ao local apenas para pessoas previamente autorizadas e devidamente aptas com treinamento de segurança, sob pena de multa diária de R$ 1.000.000,00 (um milhão de reais).

A decisão se baseou em notificação recebida pelo MPMG contendo informações preliminares sobre os diques Minervino e Cordão Nova Vista. Ressalta-se que esses diques possuem declaração de estabilidade emitida em setembro de 2018.

Nossa reportagem verificou que a mineradora recebeu a notificação e já tomou as devidas providências. Obtivemos informações que a ordem nos diques Minervino e Cordão Nova Vista não tem impacto significativo nas operações da Mina Cauê, pois a Vale passou a direcionar a descarga da usina de Cauê para outras estruturas que não interferem nos referidos diques.

Em cumprimento à decisão, a empresa também interrompeu as obras de manutenção no dique dois (2) do referido sistema de Pontal.

Além disso, reforçou a vigilância e providenciará o cercamento de toda a área para evitar o acesso da população. As comunidades dos bairros próximos serão informadas sobre estas ações de bloqueio à área.

A Vale informa que atendeu imediatamente a determinação de paralisação de atividades e adotará as demais medidas necessárias ao atendimento da liminar.

Matérias relacionadas

ROTA DE FUGA, placas são instaladas

Vale dá início ao Plano de Ação de Emergência de Barragens

STJ libera funcionários da Vale presos após rompimento de barragem

Vale anuncia a vereadores que vai implantar Plano de Ação

Barragem do Itabiruçu tem movimentação intensa em Itabira 

Itabiranos passarão por treinamento de fuga caso barragem se rompa

Presos oito funcionários da Vale, um em Itabira

Itabiruçu recebe Fiscalização Federal do CREA-MG

Porta fechada; Vale reúne Defesa Civil, Bombeiros e Meio Ambiente da PMI

Câmara aprova audiência pública sobre barragens

Barragens: Interassociação de bairros cobra explicações da Vale

Gerente geral da Vale em Itabira deve ir à Câmara no dia 19

Civil prende engenheiros que prestaram serviço à Vale

Corpo de itabirano é localizado após desastre ambiental

60 mortos e 292 desaparecidos em Brumadinho

Ronaldo vai cobrar da Vale diagnostico das Barragens em Itabira

Brumadinho: Sirenes são acionadas durante a madrugada

Sindicato dos Vigilantes cobra da Vale e autoridades urgência em Brumadinho

Brumadinho ainda tem 299 pessoas desaparecidas

Rompimento de barragem em Brumadinho aumenta alerta em Itabira

Nota do Metabase sobre rompimento de barragem em Brumadinho

Justiça bloqueia R$ 1 bilhão da Vale

Rompimento de barragem em Brumadinho