Brasil leva torcida de boliche para o Pan

A seleção brasileira de boliche – formada por Stephanie Martins (SP), Roberta Rodrigues (SP), Marcelo Suartz (RJ) e Bruno Costa (MG), com o técnico Márcio Vieira (RJ) e a chefe de equipe Karla Redig (RJ) – vai contar com o apoio de uma torcida brasileira em Lima. A equipe viaja dia 21 para o Peru, quando disputa os Jogos Pan-Americanos, no período de 24 a 30 de julho de 2019, e um pequeno grupo de torcedores de São Paulo e Minas Gerais faz questão de ir também. Lucas Rodrigues, Felipe Tomanini e Flávio Castellões viajam dia 23 para acompanhar os resultados dos atletas e compartilhar a emoção da experiência de um torneio internacional: “Acreditamos que é nosso papel também dar essa força. É muito bom eles terem nosso apoio e sentir nossa confiança neles. Normalmente no boliche a gente não costuma ter muita gente viajando para acompanhar e esse é um reforço importante para o moral dos jogadores”, afirma Flávio, que também é atleta.  “A torcida ajuda a ter mais garra ainda, a demonstrar mais raça e a buscar melhores resultados. A nossa expectativa é de medalha pro Brasil!”, anuncia.
.
“Torcida é um diferencial em qualquer esporte”, garante o presidente da Confederação Brasileira de Boliche (CBBOL), Guy Igliori. “O torcedor de boliche brasileiro não costuma viajar para acompanhar torneios fora do país, já que temos informações das transmissão ao vivo e postagens em tempo real nas nossas redes (@bolichebrasil), mas a presença da torcida dá uma energia que pode mudar resultados. Então essa vibração será muito boa para nossos atletas”, define o presidente.
.
Marcelo Suartz,  atual campeão pan-americano de boliche – que trouxe o primeiro ouro da modalidade para o Brasil dos Jogos do Canadá, em 2015, e tem mais um bronze individual da competição no México, de 2011 -, acredita na importância dessa conexão com a torcida: ” É um combustível poderoso, sem dúvida”, ele diz.
.
Roberta Rodrigues destaca que a torcida é um grande diferencial, principalmente em um torneio tão importante: “Os torcedores nos motivam ainda mais, nos apoiam e nos dão força. Meu irmão, Lucas, está indo torcer e isso me deixa mais tranquila e confiante. Estou muito animada em ter torcida brasileira lá no Peru”, comemora.
.
Bruno Costa vai além: “Ter o apoio da torcida é sempre melhor. Quando as pessoas estão presentes e torcendo é mais estimulante pro jogador. Eu me coloco num modo ‘Libertadores'”, brinca o campeão brasileiro de boliche.
.
Sobre o Pan
.
A seleção brasileira embarca para Lima no dia 21. Os treinos livres serão nos dias 22 e 23, para reconhecimento das pistas. No dia 24 são os treinos oficiais. O torneio começa dia 25, mas o início solene será somente na noite da sexta-feira, 26, com a cerimônia de abertura. Os brasileiros disputarão provas nas categorias Individual Masculino, Individual Feminino, Duplas Masculinas e Duplas Femininas. A programação prevê medalhas a partir do dia 27, data de premiação das duplas. Nos dias 28 e 29 são as partidas individuais e no dia 30 são as semifinais e a final, com a entrega de medalhas a partir das 18h30.  No dia 31, a seleção embarca de volta para o Brasil.
.
Tempo real
.
Não está prevista transmissão ao vivo, mas a CBBOL fará a divulgação de flashes das partidas pelo Facebook e postagem de fotos em tempo real no Instagram. Acompanhe as redes sociais do @bolichebrasil.
.
A equipe
.
Marcelo Suartz, o Ouro no Pan 2015
.
O paulistano Marcelo Suartz está filiado à Federação do Rio de Janeiro, onde joga pelo Clube Vasco da Gama. Dentre suas principais conquistas, destaca-se a Medalha de Ouro nos Jogos Pan-Americanos, que conquistou de 2015. É o único brasileiro com duas partidas perfeitas nos Estados Unidos homologadas pelo USBC (United States Bowling Congress), a entidade máxima do boliche norte-americano, em 2007 e 2017.
.
Chama-se Partida Perfeita quando um jogador consegue fazer uma linha completa com 12 strikes. atingindo o máximo possível de pontos numa só partida, ou seja 300 pontos. No registro brasileiro de partidas perfeitas Marcelo tem mais dois 300 homologados, em 2016 (na Eliminatórias Brasileiras) e 2012 (no Ibero-Americano). Marcelo também foi Campeão Interamericano PABCON 2012 e Campeão dos Jogos Sul-Americanos ODESUR 2014. Conseguiu se classificar em três edições da Copa Mundial QubicaAMF, conquistando a melhor posição de um brasileiro por duas vezes.
.
No ano passado, na 54.ª edição da Copa Mundial, realizada em Las Vegas, nos Estados Unidos, foi o 7.º lugar com 214,57 de média. Em 2010 na 46.ª edição da Copa Mundial, realizada em Toulon, na França, foi o 40.º com 197,10 de média. Na sua primeira participação em Copa Mundial QubicaAMF, em 2007 na 43.ª edição realizada em São Petersburgo, na Rússia, foi o 7.º colocado com 217,68 de média, a melhor classificação e média do Brasil até hoje. Também foi o 5.º lugar no Campeonato Mundial Individual da WTBA (World Ten Pin Bowling Association) em 2016. Fez faculdade nos Estados Unidos, onde conquistou o Campeonato Americano Universitário em 2012, pela Webber University, e foi eleito o melhor jogador universitário norte-americano em 2011. É tricampeão Brasileiro Individual Adulto, em 2017, 2016 e 2014, e igualmente tricampeão Brasileiro Individual Juvenil. Marcelo foi Medalha de Prata no PABCON Inter-Americano 2018, em dupla com Bruno Costa.
.
Bruno Costa, com DNA de campeões
.
O mineiro Bruno Costa conquistou recentemente o título máximo nacional pela primeira vez. Está filiado à Federação Mineira de Boliche mas joga pelo Clube Fluminense do Rio de Janeiro. É o único canhoto do quarteto. Bruno é filho do maior campeão brasileiro de todos os tempos, Walter Costa, e também da super campeã Jacque Costa, ambos de Minas Gerais. Bruno foi vice-campeão Sul-Americano no ConsuBowl 2017 e Medalha de Prata no PABCON Inter-Americano 2018. Ele tem uma partida perfeita (300 pontos) homologada oficialmente em 2014 na Taça São Paulo.
.
Stephanie Martins, a Campeã Recordista
.
Stephanie Martins é filiada à Federação Paulista de Boliche e joga pelo Esporte Clube Pinheiros, que frequenta desde pequena. É Octacampeã Brasileira de Clubes, Bicampeã Brasileira Individual (2017 e 2018) e Bicampeã Universitária nos Estados Unidos pela Webber University. Foi campeã e recordista Pan-Americana no PABCON Feminino de 2018, disputado em Santo Domingo, na República Dominicana. Stephanie quebrou o recorde Pan-Americano de seis games com 226 + 221 + 279 + 279 + 245 + 268, totalizando 1.518 pinos e a sensacional média de 253,00. Foi a primeira brasileira, e única até agora, a ser aceita na PWBA (Professional Women Bowlers Association). Em 2015, durante a 51st QubicaAMF Bowling World Cup, Las Vegas, Estados Unidos, foi a primeira brasileira – inclusive entre os homens –  a liderar uma fase classificatória. Stephanie voltou a representar o Brasil na 53.ª Copa Mundial, no México. No ano passado, retornou a Las Vegas para a 54.ª Copa Mundial, na sua segunda participação nessa cidade norte-americana, e a terceira na QubicaAMF Bowling World Cup.
.
Roberta Rodrigues, a Hexacampeã Brasileira
.
Roberta Rodrigues é filiada à Federação Paulista de Boliche e joga pelo Esporte Clube Pinheiros, como atleta convidada. Roberta já foi seis vezes Campeã Brasileira Individual, em 2016, 2012, 2011, 2010, 2009 e 2008. Octacampeã Brasileira de Clubes, Bicampeã Sul-Americana Individual na Fase Master e Medalha de Bronze no Pan-Americano Campeão dos Campeões, também foi medalha de Prata no Campeonato Ibero-Americano de Bowling, disputado em Buenos Aires, Argentina. Participou duas vezes da Copa Mundial de Boliche QubicaAMF, a primeira vez em 2009 (45.ª edição), na Malásia, e a segunda em 2016 (52.ª edição), na China, terminando na 15.ª posição com 194,79 de média em 24 partidas.