Estudante de Contagem representará o Brasil no maior torneio de educação profissional do mundo

Foto: arquivo pessoal/divulgação
Foto: arquivo pessoal/divulgação

Aluno do SENAI desde 2017, o jovem Lucas Coimbra, de 18 anos, tem um histórico competitivo de sucesso. Logo que entrou no curso de Marcenaria do SENAI CEDETEM, participou da Olimpíada do Conhecimento. Esteve na etapa escolar, se classificou para a etapa estadual e ganhou medalha de ouro. Depois, foi para a etapa nacional, já em 2018. Agora, em 2019, ele será um dos 63 representantes do Brasil na maior competição de educação profissional do mundo, a WorldSkills.

Lucas competirá na modalidade de Carpintaria de Telhados. A prova será realizada em 22 horas. Seis meses antes da competição, os participantes têm acesso a um projeto-teste no site oficial. Esse plano prévio servirá como base para o torneio. De acordo com o estudante, o projeto pode sofrer até 100% de modificação na competição.

“Temos um projeto-teste que é disponibilizado previamente. E no dia, esse projeto vai ter no mínimo 30% de modificação, podendo ter até 100%. E a prova é preparada em quatro módulos. Esses módulos têm tempo livre, eu que faço o tempo de cada módulo. Mas o somatório tem que fechar em 22 horas”, explica Lucas.

Ele conta também que a rotina de treinos gira em torno do projeto-teste. A partir de simulações da prova, os competidores identificam erros e modificam partes do processo. “Quando sai o projeto-teste, fica mais fácil. A gente tem um projeto para trabalhar em cima. Nós treinamos vários processos da prova e, depois, fazemos uma simulação completa”, conta o estudante.

Ao falar sobre suas expectativas para a competição, Lucas se diz  otimista. “Estou bastante feliz por poder representar meu país nessa competição e estou com boas expectativas de conseguir um bom resultado. Quero voltar com a sensação de dever cumprido. É uma oportunidade única”, completa.

Preparação

Os jovens que vão representar o Brasil em Kazan passaram por treinamento que começou em janeiro e durou seis meses. Todos os integrantes realizaram atividades voltadas para a preparação física, técnica e emocional, de acordo com sua modalidade.

Após o período de treinamento, toda a delegação brasileira se reuniu em Brasília para uma imersão, que contou com diversas atividades como palestras e jogos interativos com objetivo de motivar os jovens.

O líder de equipe da delegação brasileira na WorldSkills, Marcelo Mendonça, conta que a adaptação é fundamental para o sucesso dos estudantes no torneio. “Tivemos encontro de toda delegação, de competidores, para eles se integrarem, todos juntos, porque essa integração passa uma segurança maior, mostram que eles não estão sozinhos, estão com uma equipe”, ressalta Mendonça.

A competição

Realizada a cada dois anos, a WorldSkills é a maior competição de educação profissional do mundo. Jovens de até 25 anos de países das Américas, Europa, Ásia, África e Pacífico Sul disputam modalidades relacionadas a profissões técnicas da indústria e do setor de serviços. Os competidores precisam demonstrar habilidades individuais e coletivas para responder aos desafios de suas ocupações dentro de padrões internacionais de qualidade.

A melhor participação brasileira na história do campeonato foi em São Paulo, em 2015, com 27 medalhas conquistadas, resultado que rendeu o 1º lugar geral. Em 2017, em Abu Dhabi, a delegação manteve o país no pódio, quando terminou em segundo lugar geral com 15 medalhas.

Paulo Henrique