Seis em cada dez pessoas irão pagar os presentes do Dia das Crianças em dinheiro

Em pesquisa feita pela CDL, seis em cada dez consumidores irão pagar os presentes do Dia das Crianças em dinheiro. O preço dos produtos é fator decisivo para mais de 80% no momento das compras. Brinquedos e roupas serão os itens mais procurados.

Veja mais +

A maior parte dos moradores da capital deve ir às compras neste Dia das Crianças. De acordo com pesquisa realizada pela Câmara de Dirigentes Lojistas de Belo Horizonte (CDL/BH), com 305 consumidores da capital entre os dias 2 e 20 de setembro, 65,1% dos belo-horizontinos irão presentear na data. E o pagamento dos presentes será feito em dinheiro por 60,5% dos consumidores. Para o presidente da CDL/BH, Marcelo de Souza e Silva, a escolha por esse meio de pagamento está atrelado ao receio do consumidor em ficar inadimplente e comprometer sua vida financeira. “Mesmo apresentando redução, a taxa de desemprego no País ainda é elevada, reflexo da grave crise que o País viveu nos últimos anos, e as pessoas estão evitando situações que possam gerar o endividamento. Por isso, elas estão optando pela compra do presente à vista, e pagando em dinheiro, para que evitem o risco de não conseguirem cumprir todos os compromissos financeiros e ficarem inadimplentes”, esclarece Marcelo de Souza.

Os demais consumidores que irão pagar suas compras à vista vão optar por: cartão de débito (27,2%); à vista no cartão de crédito (20,4%); à vista no cartão da própria loja (0,7%) e boleto (0,7%). Já 11,6% dos consumidores usarão o parcelado no cartão de crédito, com uma média de três parcelas, para o pagamento dos presentes, e 0,7% o parcelado no carnê/crediário.

Ainda buscando equilibrar o orçamento, a maior parte dos consumidores (82,4%)* afirmou que o principal fator que os atrai para comprar é o preço. “As pessoas sempre buscam presentear nas datas comemorativas, mas estão mais cautelosas no momento de realizar suas compras. Desta forma, elas estão buscando produtos com preços que sejam atrativos e se encaixem no orçamento”, comenta Souza e Silva. O bom atendimento (54,7%), a qualidade do produto (45,9%) e as promoções e sorteios (23,6%) também estão entre os principais pontos que contribuem para as compras. *Resposta Múltipla.

Já o principal fator que pode dificultar as compras, segundo a maioria dos entrevistados (81,1%) é o alto preço das mercadorias. Algumas das demais dificuldades* apresentadas foram: atendimento ruim (43,9%); lojas muito cheias (35,8%); qualidade dos produtos (23,6%). Resposta múltipla

Tíquete médio reduz 11,4%, mas volume de presentes aumenta

O tíquete médio dos presentes deste ano deve ser de R$ 100,22. O valor é 11,4% menor do que o registrado no ano passado. Mas, de acordo com o tipo do produto escolhido, o valor desembolsado pelo consumidor pode variar. Quem for presentear com brinquedos irá desembolsar R$ 95,88. A compra de calçados deve girar em torno de R$ 87,84. Já o valor pago nas roupas será de R$ 82,41.

Apesar da redução do valor do tíquete médio, os belo-horizontinos irão adquirir mais produtos. Em média, cada consumidor deve adquirir dois presentes. Com as vendas do Dia das Crianças, a estimativa da CDL/BH é que R$ 2,27 bilhões sejam injetados na economia da capital e que o varejo cresça 2,1% em outubro, em comparação ao mesmo mês ano passado. “O ambiente econômico do País é bem melhor do que o enfrentado nos últimos anos, por isso estamos com uma expectativa positiva para a data. Esperamos que o varejo da capital tenha um bom desempenho neste Dia das Crianças”, justifica o presidente da CDL/BH.

Brinquedos e roupas serão os produtos mais procurados

O produto mais procurado neste Dia das Crianças para presentear serão os brinquedos, conforme 73,6%* dos entrevistados. Em seguida, aparecem as roupas (48%); calçados (15,5%); material esportivo (9,5%) e jogos (6,8%). Lista completa de produtos na apresentação. *Resposta múltipla

Compras serão realizadas em lojas de rua

Quando perguntados sobre o local escolhido para realizar suas compras para o Dia das Crianças, a maior parte (54,4%) respondeu que irá optar pelas lojas de rua, enquanto que 25,9% vão adquirir produtos em shoppings e 17% preferem a internet. De acordo com o local escolhido o tíquete médio pode mudar. Os consumidores que devem desembolsar os maiores valores são o que vão comprar no comércio online (R$ 134,99). Já as compras nos shoppings devem girar em R$ 102,47, e o menor valor desembolsado será nas lojas de rua (R$ 86,53).

43,1% dos consumidores irão comemorar o Dia das Crianças

Segundo 43,1% dos consumidores a comemoração do Dia das Crianças não ficará restrita apenas ao presente. A realização de almoço em casa foi a opção escolhida por 13,2% dos entrevistados para celebrar a data. Em seguida aparecem: almoçar fora (9,8%); parque (8,8%); cinema (5,9%); lanchar fora (3,9%); jantar fora (1%) e viagem (0,5%). Os que não pretendem comemorar a data somam 56,9% dos entrevistados. E o custo médio das comemorações do Dia das Crianças deve ficar em R$ 106,18.

Seis em cada dez consumidores comparam preços antes das compras

Para 65,5% dos entrevistados é um hábito frequente pesquisar o valor dos presentes em diferentes lojas, antes de efetuarem as compras. “Os consumidores estão cada vez mais atentos e buscando em diversos canais informações para ajudar na decisão de adquirir algum produto”, comenta Souza e Silva. Os que fazem este tipo de levantamento às vezes totalizam 13,5%. Os consumidores que raramente ou nunca realizam comparação dos valores representam 20,9%. Perguntados sobre dar presentes em outras datas comemorativas, 48,5% dos entrevistados afirmaram que têm esse hábito. Clique aqui e confira o gráfico da Pesquisa Dia das Crianças – Outubro 2019

Metodologia – Foram entrevistados 305 consumidores de Belo Horizonte, no período de 2 a 20 setembro de 2019.

Fonte: Asscom/CDL-BH