Divulgação

Alagoas terá de qualificar 62 mil trabalhadores até 2023

Segundo Mapa do Trabalho Industrial, do SENAI, as áreas de metalmecânica e energia são as que mais demandarão técnicos capacitados em quatro anos.

Divulgação

O estado de Alagoas terá de qualificar 62.495 trabalhadores em ocupações industriais nos níveis superior, técnico, qualificação e aperfeiçoamento entre 2019 e 2023. Os dados são do Mapa do Trabalho Industrial, elaborado pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI) e divulgado nesta segunda-feira (30).

Segundo o coordenador de Educação Profissional do SESI/SENAI de Alagoas, Pedro Oliveira, entre as áreas que mais demandam formação técnica no estado, estão informática; eletrotécnica; edificações e metalmecânica.

Além da formação, Pedro ressalta que a qualificação profissional deve ser uma atividade constante na vida dos trabalhadores, já que o mercado de trabalho tem exigido cada vez mais atualizações.

“O mercado é dinâmico, muda bastante. É muito importante que todos estejam sempre atentos a essas mudanças. Uma alternativa para isso é a qualificação profissional, é o aperfeiçoamento. Então, estar sempre em busca de informação, de conhecimento, de aprender técnicas novas, tudo isso mantém o trabalhador inserido no mercado”, avalia.

Divulgação

Metalmecânica

Em Alagoas, o setor de metalmecânica precisará, segundo o estudo do SENAI, qualificar 1.714 novos profissionais técnicos nos próximos quatro anos. Essa área é vista como estratégica para a indústria, já que quase todas as outras do setor produtivo dependem dela. As indústrias desse segmento transformam metais nos mais diversos tipos de produtos, como máquinas e tubulações.

Para o diretor-executivo de Tecnologia da Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos (Abimaq), João Alfredo Delgado, a educação profissional é o grande diferencial para quem busca uma vaga de emprego dentro do setor industrial.

“A educação profissional é a solução. Quando a gente fala de vagas nas empresas que não estão sendo preenchidas, normalmente é que a pessoa não atende os skills, ou seja, não tem o perfil que está sendo procurado”, ressalta.

Como forma de mudar a realidade de milhões de brasileiros que estão desempregados, a saída, na avaliação da deputada federal Tereza Nelma (PSDB-AL), é ampliar a oferta de formação técnica e profissional.

“Eu defendo muito a educação profissional. Acredito na formação e sei que as escolas do SESI e do SENAI são escolas de primeira linha e muito bem aceitas pela comunidade”, afirma a parlamentar.

Qualificação profissional

Segundo o Mapa do Trabalho Industrial, entre as ocupações que exigem cursos de qualificação e que mais vão demandar profissionais capacitados, estão as de mecânicos de manutenção de veículos automotores (1.360) e padeiros, confeiteiros e afins (1074).

Para quem tiver interesse em saber mais sobre alguma dessas áreas, basta acessar o site fiea.org.br ou comparecer a uma das unidades da instituição. Mais informações podem consultadas pelo telefone (82) 2121-3000.

Juliana Gonçalves