300 trabalhadores paralisam os serviços em Paracatu de Baixo

Cerca de 300 funcionários fazem uma paralisação nas obras de construção de reassentamento de Paracatu de Baixo que é subdistrito de Monsenhor Horta, e fica localizado a cerca de 35 quilômetros de Mariana.

Desde as 7h da manhã desta quinta-feira, 7 de novembro de 2019, os trabalhadores contratados pela empresa responsável para construção do reassentamento de Paracatu de Baixo, estão paralisados, a Policia Militar vem acompanhando de perto toda a movimentação destes trabalhadores, que vem fazendo a manifestação pacifica no local.

Nossa reportagem conseguiu com exclusividade fotos dos trabalhadores que estão pelas ruas de acesso ao canteiro de obras e outros locais, os trabalhares disseram que aguardam um retorno da empresa bem como do Sindicato que representa a categoria para verificar o que esta sendo definido sobre as revindicações feitas por eles, que seria as melhorias salariais e os direitos a benefícios.

Aguarde mais informações.

Em tempo

O reassentamento das comunidades de Bento Rodrigues e Paracatu de Baixo, atingidas pelo rompimento da barragem de Fundão, da Samarco, em Mariana, tem uma previsão de conclusão até o final do ano que vem, afinal do prazo estipulado pela Justiça desta entrega é agosto de 2020.

Casas destruídas de Bento Rodrigues

O rompimento da barragem de Fundão completou quatro anos em novembro. A tragédia aconteceu em 5 de novembro de 2015, matou 19 pessoas e devastou a bacia do rio Doce.

SOBRE O DISTRITO

Localizado a 35 quilômetros de Mariana (MG), Paracatu de Baixo é subdistrito de Monsenhor Horta. A comunidade, que cresceu às margens do rio Gualaxo do Norte, tem um centro com ruas calçadas, energia elétrica, casas e equipamentos públicos, como praça, escolas, quadra poliesportiva, posto de saúde, igreja e campo de futebol. Mais afastadas, encontram-se propriedades com plantios e predominância de trabalhadores rurais e atividades de subsistência. Os moradores celebram, há mais de 50 anos, a Folia de Reis entre o Natal e o Dia de Reis. O grupo também organiza a Folia de Reis do Menino Jesus, uma das festas religiosas de maior visibilidade na região, comemorada em setembro.

Desde o rompimento, ações emergenciais foram executadas, como auxílio financeiro, moradias temporárias para as 140 famílias atingidas que, atualmente, residem em Mariana e região, e atendimentos na área da saúde e psicossocial. As graves consequências da ruptura da barragem têm desdobrado trabalhos com foco no reassentamento da comunidade sob a perspectiva coletiva, na qual toda a população residente no local de origem terá a opção de se mudar para um novo espaço em comum, sendo resgatadas, na medida do possível, características equivalentes às de onde saíram. A necessidade de construção do povoado e do restabelecimento de suas condições e modos de vida reforça a centralidade dos reassentamentos para a Fundação Renova.