Metabase/divulgação

PLR 2020 – Vale deve pagar em torno de 3,5 salários, diz Metabase

O presidente do sindicato Metabase Itabira, André Viana, participou ontem (20) de uma reunião em Belo Horizonte com a direção da Vale S/A e disse que essa foi uma das mais difíceis discussões sobre o resultado da PLR  já que a empresa “insistia em querer jogar nas costas dos trabalhadores a conta do crime cometido em Brumadinho e consequentemente enfiar a desculpa que a PLR seria praticamente zero”.

André Viana definiu como “uma saga”, afinal, foram reuniões, manifestações nas portarias das minas, paralisações de ônibus, detenção de diretor sindical pela polícia, diversas reuniões e muita paciência. Ainda de acordo com o sindicalista e vereador, a empresa pressionou de todas as formas.

Por meio de gerentes, a empresa espalhou notícias falsas sobre um suposto bônus salarial com a finalidade de amenizar o impacto da PLR quase zero. Isso dificultou ainda mais a discussão com os trabalhadores que se revoltaram nas minas. “Esses irresponsáveis atropelaram a negociação sindical, desrespeitaram o Acordo Coletivo de PLR e a própria diretoria da empresa” disse André Viana e provocou: “Onde estão estes gerentes para confirmarem o tal bônus?”.

Em 2015 os sindicatos pediram ao menos a reposição da inflação, mas a companhia “enfiou um zero de reajuste garganta abaixo dos trabalhadores e agiu como agiota, literalmente, emprestando um salário para cada trabalhador se virar”. Ainda de acordo com o presidente do Metabase, em 2016 a empresa utilizando a mesma frieza, não fez o pagamento da PLR referente à 2015, complicando ainda mais a situação dos trabalhadores flagelados pela falta de reajuste salarial.

André reclama que passaram pela mesma pressão psicológica desta vez, com a possibilidade de PLR zero: “A reunião em BH foi tensa, complicada. Os representantes da Vale tratam os trabalhadores, responsáveis por todos os recordes de produção e lucros, com desprezo e descaso, um verdadeiro descalabro com a classe, mas ainda assim lutamos”.

Durante a reunião de hoje foi verificado que a aplicação do painel de metas e da nota global Vale colocaria os valores da participação nos lucros bem inferior aos anos anteriores. Depois de muita pressão dos sindicatos, a empresa cedeu e resolveu ajustar o painel de metas por meio de um aditamento no Acordo Coletivo de PLR de 2019, ocasionando um aumento substantivo.

A Vale registrou um prejuízo de US$ 1,683 bilhão em 2019, comparado ao lucro líquido de US$ 6,860 bilhões em 2018, mas ainda assim, graças a forte e intensa pressão, a empresa vai pagar uma PLR média de 3.5 salários em Itabira.

André Viana ressalta que a receita operacional líquida da mineradora foi de US$ 37,570 bilhões em 2019, um aumento de 2,7% em relação a quanto registrado em 2018, quando esse valor tinha sido de US$ 36,575 bilhões: “Isso nos motivou a aumentar a pressão e  insistir no pagamento de uma PLR, recusando a possibilidade de uma remuneração próxima ao zero”. A Vale já tinha informado nas últimas semanas que a produção de minério de ferro em 2019 tinha sido 21,5% menor do que a do ano de 2018, em 301,972 milhões de toneladas.

André ressalta: “Um dos maiores fatores responsáveis por isso, todos sabem, foi o rompimento da barragem de Brumadinho, mas sempre afirmamos que as minas de Itabira não pararam e os trabalhadores mantiveram a linha de produção, evitando um prejuízo que poderia ter sido no mínimo o dobro, por isso merecemos o valor de PLR diferenciado do valor global.

André finaliza: O rompimento da barragem de Brumadinho, que deixou 259 mortos e 11 desaparecidos, teve forte influência nos resultados da Vale e a fez perder em valor de mercado, sabemos disso. Por outro lado, ela já recuperou o fôlego e recuperou a confiança dos investidores. Já conseguiu aliviar boa parte do impacto financeiro da tragédia e vai para um 2020 bem promissor, com expectativas positivas até 2023, segundo análises financeiras.

André afirma que o pagamento da PLR deve injetar na economia Itabirana cerca de 40 milhões de reais que somados a expectativa do superávit Valia BD, de 10.1 suplementações pago também em março aos aposentados e pensionistas, podem ultrapassar os 70 milhões de reais.

O presidente do Metabase Itabira fez questão de lembrar o protagonismo do sindicato como “papel fundamental nestas conquistas” e cita como exemplo a empresa Petrobras: “Teve lucro recorde e os trabalhadores estão incertos quanto ao recebimento da PLR, pois não há acordo com os sindicatos da daquela base”.