Violência contra a mulher é tema de palestra

Colaboradores do Hospital Nossa Senhora das Dores (HNSD) participaram na manhã desta quinta-feira (5), de uma palestra sobre violência contra a mulher, apresentada pela delegada de Polícia Civil, Amanda Machado. O evento, além de trabalhar a conscientização dentro da instituição, trouxe em debate um tema sempre atual e preocupante, no mês em que se comemora o dia Internacional da Mulher, no dia oito.

Não aceitar fim de relação é causa de 33% das agressões a mulheres

Segundo Amanda Machado, existe um alto índice de violência doméstica no Brasil, que pode ser combatido com ações de conscientização dentro das instituições. Promover palestras e orientar as mulheres e os homens, disse a delegada, “é uma forma de propagar a temática e diminuir os crimes”.

“Falar sobre a violência doméstica é uma medida de proteção e de prevenção à violência contra a mulher. Neste sentido, é uma medida de autoproteção à mulheres que por ventura vivenciam algum relacionamento abusivo ou, alguma violência pautada no gênero. É também uma forma de que, as pessoas que assistem essas palestras, possam ser propagadoras desta temática e auxiliem mulheres que são vítimas”, defendeu a delegada.Após a palestra Amanda Machado promoveu um “bate papo” com os colaboradores e destacou ações e medidas que podem minimizar o registros deste tipo de crime, como a Lei Maria da Penha e a procura pelas delegacias de defesa da mulher.

Para o diretor administrativo do HNSD, Alexandre José Coelho, debater temas como este aumenta a confiança das colaboradoras e contribui também para propagar uma cultura de segurança e prevenção a este tipo de crime dentro do hospital.

“Temos que debater vários assuntos e, a violência contra a mulher é algo que infelizmente está recorrente em nosso país e em nossa cidade. Quando o hospital trabalha estas temáticas, nós estamos aumentando a rede de proteção, conscientizando as pessoas e com certeza, dando a nossa parcela de contribuição à sociedade. Pessoas mais conscientizadas são mais alertas e menos permissivas. A presença da doutora Amanda hoje foi muito importante para todos os colaboradores, não só as mulheres”, avaliou o diretor.

Matéria relacionada: Não aceitar fim de relação é causa de 33% das agressões a mulheres