Metabase/divulgação

Metabase x Anglo: mais uma rodada de negociações

Metabase/divulgação

Metabase recebe sugestões de trabalhadores. Discussões com Anglo American já acontecem.

Seguindo a agenda de acordos coletivos, o Metabase Itabira participou de mais uma rodada de negociações com representantes da empresa Anglo American, com sede na cidade de Conceição do Mato Dentro (MG), empregando mais de 800 funcionários itabiranos, incluído as empresas contratadas (terceirizadas).Considerado como “o momento mais importante do ano para os trabalhadores” o presidente André Viana disse que este ano as reuniões serão mais “robustas” já que conta com o apoio dos trabalhadores nas sugestões de pauta: “Fizemos um intenso trabalho para captar opiniões dos trabalhadores da empresa. Mais de 400 participaram opinando, criticando e principalmente apontando as falhas na empresa, que geram desconforto, principalmente nas minas. Recebemos cerca de 800 sugestões para montarmos a nossa pauta, por isso digo que estamos abastecidos de informações”.

O presidente afirma que o que está sendo apresentado aos representantes da empresa é a voz das minas da Anglo American: “São os anseios e desejos daquela classe trabalhadora. São pedidos que devem ser ouvidos pela empresa, já que ela diz prezar pelos seus funcionários”. Entre as sugestões, André ressalta algumas: “Apesar de não estar nas primeiras colocações em importância nas sugestões, a previdência privada terá que ser discutida. Queira ou não, é um investimento a longo prazo que trará benefícios quando o trabalhador se aposentar. A empresa sabe que pode fomentar a sua contribuição junto à instituição contratada (Fundambras) e trazer mais renda para seus funcionários na aposentadoria, isso é pensar no futuro, não apenas deles, mas de suas famílias”.O reembolso educacional também não foi um tema de muita relevância entre os trabalhadores, mas André justifica: “Acredito que por ser pouco eficiente, o trabalhador não o considera tanto, o que é uma pena. Se a empresa fornecesse um trabalho mais eficaz, não pensando apenas no financeiro, iria atrair o interesse dos funcionários. Por que não bolsas de estudo em faculdades de expressão? Por que não intercâmbio educacionais com outros países? A empresa tem sua sede principal na Inglaterra, país reconhecido pela excelência em educação, já pensou convênios com grandes universidades para os filhos dos trabalhadores? Universidades como Oxford, Cambridge ou Imperial College são inglesas e consideradas as melhores do mundo. Estou sonhando alto? Não sei, mas seria uma prova de que a empresa pensa em seus funcionários”.O presidente André Viana disse que o cartão alimentação e o reajuste salarial ainda são as pautas mais importantes para os trabalhadores e que está em estudo a proposta para estes temas econômicos: “A empresa na última reunião alegou dificuldades financeiras alegando que sua produção diminuiu diante dos efeitos causados pela pandemia do novo Coronavírus (Covid-19). Ela ofereceu vergonhosos 2,5%, o que obviamente recusamos durante a reunião. Esse valor chegar a ser uma afronta aos guerreiros e guerreiras que estão nas minas expostos ao vírus que ela alega ter inibido os lucros. Sabemos que todo ano há uma desculpa quando se toca no assunto aumento salarial, mas estamos atentos e as próximas reuniões vão abrir horizontes, tenho certeza”, finalizou o sindicalista.

Panfletagem

Ontem (07) e hoje, diretores estão realizando ações de conscientização da importância da participação dos funcionários no acordo coletivo. Os cerca de 1300 funcionários estão recebendo os boletins confeccionados pelo sindicato com informações sobre as atuais e futuras ações do sindicato. Flávio Carmo, um dos diretores presentes na ação em Conceição do Mato Dentro destaca: “É importante estarmos aqui. Apesar da possibilidade de enviarmos esse boletim por aplicativos em celulares ou e-mails, este contato, olho no olho, é essencial para marcarmos território e mostramos à classe que representamos que estamos aqui, ao lado deles, para o que der e vier”.