PCMG/Divulgação

Dupla é presa suspeita de aplicar golpe do falso consórcio

Ver Mais +

PCMG/Divulgação

Após seis meses de investigação, a Polícia Civil de Minas Gerais (PCMG) cumpriu, nessa quarta-feira (6/1), três mandados de busca e apreensão que resultaram na prisão em flagrante, por estelionato, de dois homens, ambos de 24 anos. A dupla, apontada como líder de organização criminosa, era responsável por uma empresa localizada em Belo Horizonte, suspeita de negociar falsas cartas de crédito contempladas. A polícia identificou, até o momento, cerca de 64 vítimas em todo o estado e acredita que o grupo criminoso seja formado por 60 pessoas.

Durante a ação policial, foram apreendidos dois veículos de alto padrão que os proprietários adquiriram à vista, no valor de R$ 130 mil cada, resultado do lucro do crime praticado. A empresa foi fechada pela PCMG.

De acordo com o delegado Rodrigo Damiano, o escritório, que fica no bairro Santa Efigênia, capital, funcionava em um prédio bem estruturado. “Esses investigados tinham uma movimentação nesse escritório de R$3 milhões por mês. Isso eles conseguiam com a venda de consórcio, portanto, a gente pode entender que o lucro que eles estavam tendo era muito grande, e a movimentação de pessoas e de vítimas era enorme”.

O investigado Paulo Régis revelou como a empresa agia.

“O golpe consistia em anunciar bens, entre veículos – carro, moto e caminhão – e casas, em redes sociais e em sites especializados em venda. Eles anunciavam a venda de forma financiada. Quando a vítima chegava ao escritório, por meio de artifícios, eles forçavam a vítima a contratar um consórcio, com a proposta de contemplação imediata e entrega do bem em até 15 dias”, explica.

O investigador ainda acrescenta que, em outra ocasião, os dois suspeitos e uma gerente do grupo já haviam sido presos por esse crime, mas foram liberados em audiência de custódia mediante medida cautelar que proibia a continuação do negócio. No entanto, os suspeitos não só retornaram às atividades criminosas, como abriram outros escritórios na Avenida Cristiano Machado e outro no Barreiro.

“Não acredite em cartas contempladas com valores muito baixos. Essas cartas não existem. O consórcio é um investimento de longo prazo e você não consegue ter acesso rápido àquele bem material”, orienta Damiano.

Veja também

Civil prende suspeito de tentativa de homicídio