Marco Lage confirma Júber Madeira, líder do Governo na Câmara

A escolha pelo nome de Júber Madeira também foi apreciado pelo secretário de Governo, Gabriel Quintão, já que a função executada na Câmara é diretamente ligada a sua pasta.

Júber Madeira disse aceitar a missão com tranquilidade e que continuará pautando o seu trabalho no bem da comunidade e na execução de projetos que aumente a qualidade de vida do povo.

“Aceitei o convite de ser o líder do Governo e agradeço a confiança do prefeito Marco Antônio Lage e do secretário de Governo, Gabriel Quintão. Quero executar meu trabalho com eficiência, mas mantendo sempre o meu propósito de trabalhar pelo bem do povo, em primeiro lugar. Estarei ao lado do atual governo no que for necessário porque vejo essa mesma intenção: fazer o melhor pela população itabirana”, enfatizou o vereador.

O secretário de Governo, Gabriel Quintão, disse que a escolha para ocupar o cargo na Câmara foi coerente. Segundo ele, o relacionamento entre os vereadores exige alguém que tenha sempre um tom conciliador e capacidade de articulação.

“Conheço o trabalho do Júber há alguns anos e sei de sua capacidade de relacionamento. Uma pessoa tranquila, inteligente e que reúne plenas condições de representar o Governo dentro da Câmara Municipal de forma pacífica, prezando sempre pelo diálogo. Estou confiante que faremos um bom trabalho”, pontuou o secretário de Governo.

Segundo Júber Madeira, a escolha para ser líder do governo representa uma grande oportunidade de trabalho neste início de mandato. Apesar de ter sido eleito logo na sua primeira disputa, o vereador já atuou como assessor parlamentar e conhece de perto os bastidores da política legislativa.

“Sei da responsabilidade que é este cargo e pretendo ocupá-lo da melhor maneira possível, sempre em diálogo com todos os nossos vereadores, que também estão totalmente comprometidos com o melhor para Itabira. Teremos muito trabalho pela frente, mas o diálogo será o meu principal aliado nesta missão”, concluiu o vereador e líder do governo.

 

WhatsApp recua frente aos protestos e adia mudança na política de privacidade