Prefeito e diretor-presidente discutem situação do Itabiraprev

Ascom/PMI
Ascom/PMI

O prefeito Marco Antônio Lage reuniu-se com o diretor-presidente do Instituto de Previdência de Itabira (Itabiraprev), Paulo Alexandre da Silva, na manhã desta terça-feira (9). No encontro, o chefe do Executivo municipal obteve mais detalhes sobre os serviços realizados pelo instituto, a atual situação e o cenário para os próximos anos. Ele também conheceu o espaço físico onde funciona a autarquia, no bairro Esplanada da Estação, e conversou com servidores públicos que trabalham no local.

O Itabiraprev foi criado em 2011 para gerir o Regime Próprio de Previdência Social do Município, após a extinção do Fundo para Complementação de Aposentadoria e Pensão do Servidor Público Municipal de Itabira (Funcapi). Contribuem para a autarquia servidores do próprio instituto, Prefeitura, Câmara Municipal, Fundação Cultural Carlos Drummond de Andrade (FCCDA) e Serviço Autônomo de Água e Esgoto (Saae).

De acordo com Paulo Alexandre, 563 pessoas são assistidas: 400 aposentados, 103 pessoas que se aposentaram na época do Funcapi e recebem complementação e 60 pensionistas (sendo que 20 destes são da época do Funcapi e recebem complementação). Os números referem-se ao mês de dezembro de 2020.

Ele acrescentou que o repasse da contribuição patronal está em dia e comentou sobre a atual conjuntura da autarquia. “Quando foi criado há dez anos, o Itabiraprev teve um aporte inicial residual do Funcapi e isso criou uma situação econômica melhor que outros institutos. A longo prazo, há o problema enfrentado por praticamente todos os fundos dos institutos de previdência: o déficit atuarial projeta que, lá na frente, precisaremos tomar medidas para deixar as contas equilibradas”, pontuou.

O diretor-presidente acrescentou que os servidores que estão na ativa possuem média de idade elevada, indicando que, em curto período de tempo, muitos vão se aposentar. No mês passado, foram concluídos cinco processos de aposentadoria. Neste mês, 20 processos estão em análise. “Hoje, os recursos arrecadados mensalmente pelo Itabiraprev conseguem pagar a folha e tem uma sobra, mas a tendência é a receita diminuir, pois cada servidor aposentado deixa de pagar e passa a receber. Temos também o resultado dos investimentos que representam um valor alto. O problema é que, quando o que se arrecada no mês empatar com o que se paga, será necessário utilizar o patrimônio, que hoje é uma reserva”, alertou.

Ao conversar com os colaboradores do Itabiraprev, Marco Antônio Lage destacou a importância do instituto. “É uma área de grande responsabilidade, pois trabalha com o dinheiro do servidor. Ele deposita muita confiança no trabalho de vocês. É cada vez mais importante a gente preservar a reputação e a boa imagem do Itabiraprev, graças ao trabalho que já vem feito aqui há algum tempo. Às vezes, muda-se o governo e começam a falar mal de tudo o que tinha no passado. Não é esse nosso caso: estamos aqui para construir, promover a evolução dos trabalhos e serviços.”

“Portanto, o que a gente pede aqui também é uma visão de curto, médio e longo prazo. Da mesma forma que buscamos enxergar nossa cidade 30 anos para a frente, temos que entender como o instituto vai se comportar com o que há de mais moderno em termos de previdência e benefícios”, finalizou o prefeito.

Veja também

Prefeitura decide manter ponto facultativo no Carnaval

Prefeito discute fortalecimento da parceria entre IEF e Município