Divulgação

Entenda as mudanças na sinalização da BR 381

Divulgação

A nova sinalização da BR-381/MG vem sendo instalada, principalmente no lote 7, onde as obras de duplicação já foram concluídas. Desde então, os usuários da rodovia federal vêm acompanhando a mudança da sinalização antiga, provisória de obras, pela definitiva. Além da implementação de novos elementos de sinalização, outros sinais existentes são mudados por novas unidades. O exemplo disso são os Marcos Quilométricos, placas que indicam a quilometragem e direção que está sendo seguida.

Disposta em cada quilômetros, em cada sentidos de tráfego, a sinalização serve de indicação e orientação, sendo que há aglomerados urbanos, residências, comércios e indústrias que têm como endereço a BR-381/MG. A nova sinalização vai auxiliar na busca pela localização desses pontos lindeiros à rodovia, bem como servir de orientação direcional, sendo que no topo dos marcos há a indicação Norte ou Sul.

O terceiro volume do Manual Brasileiro de Sinalização de Trânsito, do Departamento Nacional de Trânsito (DENATRAN) trata da sinalização vertical de indicação, onde estão inclusos os Marcos Quilométricos. De acordo com o manual, as placas de identificação quilométrica indicam ao condutor a posição em relação ao início da via ou à divisa de Estados. Apresentam a forma retangular, com a cor de fundo e orla externa em azul, as legendas, tarjas e orla interna figuram em branco.

As placas devem conter a abreviação oficial da unidade de medida (km) e o número correspondente à distância, expresso em números inteiros ou frações decimais, para vias urbanas de trânsito rápido. A parte superior das placas, separada por tarja, pode conter uma legenda identificando o sentido do percurso, através do ponto cardeal correspondente, ou a identificação da via.

Em rodovias federais, a placa pode conter, como informação adicional, na parte inferior e separada por tarja, a correspondente sigla do Estado. As placas devem ser posicionadas com uma tolerância de até 100 metros, antes ou depois de sua localização prevista, sempre que houver alguma interferência que impossibilite sua implantação no quilômetro exato.

Os marcos quilométricos têm 2,1 metros de altura, contando do pavimento ao início da placa, com 50 cm de largura por 85 cm de altura, sem a identificação do ponto cardeal que indica o sentido de fluxo. A sinalização deve estar a 50 cm a um metro de distância afastado do bordo da pista. A fonte utilizada para a composição desta sinalização é a Alphabets for Highway Signs and Pavement Markings, com altura de 15 cm para letras e números, 12,5 cm para o ponto cardeal e 15 cm para as siglas.

Os materiais mais adequados para a confecção das placas, são o aço, alumínio, poliéster reforçado com fibra de vidro e madeira imunizada. Os materiais mais utilizados para a confecção do fundo são as películas e as tintas. As películas utilizadas são as plásticas (não retrorrefletivas) ou as retrorrefletivas e as tintas utilizadas são o esmalte sintético, fosco ou semifosco, ou a pintura eletrostática. O verso da placa deve ser pintado com tinta fosca ou semifosca, na cor preta. Os materiais das placas devem atender às normas da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) ou normas vigentes nos órgãos componentes do Sistema Nacional de Trânsito ou normas internacionais.