Minas Gerais recebe primeiras doses de vacina contra a dengue

Fotos: Fábio Marchetto/SES-MG

Minas Gerais recebe primeiras doses de vacina contra a dengue

Imunizantes Qdenga chegaram ao estado na manhã desta quinta-feira (22/2)

Minas Gerais recebeu, nesta quinta-feira (22/2), o primeiro lote de vacinas contra a dengue, Qdenga. São 78.790 doses para iniciar a imunização dos mineiros de 10 e 11 anos.

Fotos: Fábio Marchetto/SES-MG

Os imunizantes chegaram à Central Estadual da Rede de Frio e serão distribuídos a 22 municípios das Unidades Regionais de Saúde de Belo Horizonte e de Coronel Fabriciano/Timóteo.

As regiões de saúde selecionadas atendem a três critérios, definidos pelo Ministério da Saúde, seguindo as recomendações da Câmara Técnica de Assessoramento em Imunização e da Organização Mundial de Saúde: possuem pelo menos um município de grande porte, ou seja, com mais de 100 mil habitantes, com alta transmissão de dengue registrada no último período sazonal, e com maior predominância do sorotipo DENV-2.

Dos municípios que receberão a vacina, nove são da região de Saúde de Coronel Fabriciano/Timóteo (Coronel Fabriciano, Timóteo, Pingo D’água, Antônio Dias, Marliéria, Santa Maria de Itabira, Jaguaraçu, Dionísio e Córrego Novo).

Outros 13 são da região de Saúde de Belo Horizonte/Nova Lima Caeté (Belo Horizonte, Ribeirão das Neves, Sabará, Santa Luzia, Nova Lima, Caeté, Rio Acima, Jaboticatubas, Raposos, Belo Vale, Moeda, Nova União e Taquaraçu de Minas).
O secretário de Estado de Saúde, Fábio Baccheretti alerta que, apesar do início do processo de imunização, durante este período de alta transmissão, é necessário manter outros cuidados contra a dengue.

“Minas Gerais começa a gerenciar a vacinação, com a primeira dose, das crianças de 10 e 11. Posteriormente serão vacinadas aquelas com 12, 13 e 14 anos. Mas é importante esclarecer que as vacinas são uma estratégia de proteção de médio e longo prazo. Para o momento crítico que estamos vivendo, ainda é necessário investir em outros cuidados, como não deixar água parada e procurar as unidades de saúde ao menor sinal de dengue”, salienta o secretário.

 

Para prevenir a proliferação do mosquito causador da dengue e chikungunya, é fundamental a adoção de ações de proteção coletiva, como remoção de locais onde há acúmulo de água e eliminação de criadouros de mosquitos, além do tamponamento de caixas d’água e realização da limpeza das calhas.

Para a proteção individual contra a picada do mosquito, recomenda-se o uso de repelente, inclusive por pessoas com sintomas ou já diagnosticadas com dengue ou chikungunya, uma vez que o mosquito pode se infectar ao picá-la e transmitir a doença para outros indivíduos.

Em caso de sinais e sintomas como febre alta, dor de cabeça e/ou atrás dos olhos, dor no corpo, náusea ou dores abdominais, a SES-MG recomenda a busca pelo atendimento médico nas Unidades Básicas de Saúde (UBS), que são a porta de entrada para que os pacientes recebam o tratamento devido, no tempo oportuno.
Reunião entre gestores

Nessa quarta-feira (21/2), no Auditório JK da Cidade Administrativa de Minas Gerais, a 304ª Reunião Ordinária da Comissão Intergestores Bipartite (CIB) abordou o cenário epidemiológico das arboviroses no estado. A reunião foi realizada entre os gestores municipais e a SES-MG.

Fábio Baccheretti destacou a urgência em concentrar esforços na prevenção de óbitos por dengue e chikungunya, ressaltando a importância da colaboração da população e a organização do sistema de saúde.

“Quero lembrar que evitar mortes por arboviroses deve ser o ponto central para todos nós. A prevenção continua como um esforço coletivo e depende de toda a população”, ressaltou.

“Um dos problemas é quando o paciente está por volta do quinto dia com a dengue e começa a sentir, por exemplo, dores abdominais. Isso é sinal de que ele está entrando em choque. Então não devemos só nos preocupar com o atendimento imediato do paciente, mas também termos essa sensibilidade para esse retorno. As mortes por dengue são evitáveis e o que nos cabe é organizar o sistema de saúde da melhor maneira possível”, comentou Baccheretti.

O subsecretário de Vigilância em Saúde da SES-MG, Eduardo Prosdoscimi, apresentou um panorama das arboviroses, destacando que, embora a letalidade esteja relativamente baixa em comparação com anos anteriores, o número de casos merece atenção.

“Já em relação à chikungunya, as regiões Central e Vale do Aço são aquelas que apresentam maior número de casos, ao contrário do que verificamos ano passado, em que as regiões Norte e Nordeste tiveram maior incidência”, apontou.

Segundo dados disponíveis no Painel de Monitoramento de Casos de Arborviroses, até 22/2, Minas Gerais registrou 268.903 casos prováveis de dengue. Desse total, 93.059 foram confirmados para a doença.

Até o momento, há 36 óbitos confirmados por dengue no estado e 155 estão em investigação.

Em relação à febre chikungunya, foram registrados 29.864 casos prováveis da doença, dos quais 19.256 foram confirmados. Até o momento, cinco óbitos foram confirmados por chikungunya em Minas Gerais e 20 estão em investigação.

Eduardo Prosdoscimi informou que a SES-MG tem fortalecido as capacitações das equipes, tanto no nível central quanto regional, e destinou recursos financeiros significativos para enfrentar as arboviroses.

“Somente em fevereiro, repassamos R$ 32 milhões a todos os municípios, tendo em vista esse cenário bastante complexo. Também neste mês tivemos uma qualificação presencial sobre manejo clínico de pacientes, com mais de 500 participantes”, ressaltou.

Matérias relacionadas

Itabira tem 10 óbitos investigados por Dengue e mais de 12 mil notificados

Dengue: Regional de Saúde de Itabira promove Dia D em 25 cidades da região

Sábado é o “Dia D” contra a dengue em São Gonçalo

Dengue Hemorrágica: o que é e quais os sinais de alerta