Desarticulado grupo responsável por prejuízo superior a R$ 200 mil

PCMG/Divulgação

PCMG desarticula grupo responsável por prejuízo superior a R$ 200 mil

Um grupo criminoso responsável por um prejuízo superior a R$ 200 mil contra consumidores foi desarticulado pela Polícia Civil de Minas Gerais (PCMG) durante operação desencadeada na manhã desta terça-feira (9/7), em Belo Horizonte e Esmeraldas, na região metropolitana. Um homem 44 anos e uma mulher, de 26, foram presos durante a ação policial.

De acordo com investigações conduzidas pela 2ª Delegacia de Polícia Civil em Sabará, os investigados realizavam anúncio em uma plataforma de compra e venda de rede social com ofertas de instalação de piscinas. Para concretizar o negócio, os suspeitos solicitavam um valor de entrada, via transferência bancária, e não realizavam a entrega do produto nem do serviço. Até o momento foram identificadas e ouvidas nove vítimas, mas a

PCMG/Divulgação

Polícia Civil acredita que pode haver um número maior.

“Os investigados causaram prejuízo, ainda, à fábrica de piscina e prestadores de serviço, realizando o pagamento por meio de cheque fraudulento e sem fundos”, revelou o delegado Matheus Henrique Rezende.

Até o momento, a PCMG contabilizou o prejuízo de R$ 57 mil para a fábrica de piscinas e serviços de instalação, além do causado às vítimas/clientes, que totalizam mais de R$ 200 mil.

Ainda segundo Rezende, a proprietária da fábrica de piscina declarou que os investigados levavam as vítimas até o estabelecimento para demonstrar credibilidade. “A proprietária acrescentou que diversas vítimas, após descobrirem que haviam caído em um golpe, procuraram a fábrica desamparadas, no que ela ainda tentou auxiliar fazendo a venda de piscinas a preço de custo, segundo ela, pelo quanto as pessoas chegavam desoladas”, detalhou o delegado.

Modo de agir

Segundo as investigações, os suspeitos adotavam como estratégia criminosa realizar a entrega de apenas uma piscina em cada condomínio. “Dessa forma eles ganhavam a confiança dos demais condôminos, que posteriormente foram lesados pelo mesmo golpe”, explicou Matheus Rezende.

O investigado de 44 anos, preso hoje, apontado pela Polícia Civil como líder da associação criminosa, tem antecedentes criminais por tráfico de drogas, violência doméstica e crimes patrimoniais.

Após os procedimentos de polícia judiciária, os suspeitos foram encaminhados ao sistema prisional. As investigações prosseguem para a prisão de um terceiro envolvido, de 33 anos, não localizado pela polícia até o momento e é considerado foragido.

PF diz que joias sauditas saíram do Brasil no avião presidencial

Crimes cibernéticos contra bancos é investigado pela Polícia do Rio

PF liga Bolsonaro a esquema para desviar mais de R$ 6,8 milhões

Ex-presidente da Câmara de Muriaé é condenado por lavagem de dinheiro e associação criminosa